Início Destaque GM faz reunião com sindicatos e prefeitos sobre crise

GM faz reunião com sindicatos e prefeitos sobre crise

0
Foto: Divulgação

Sob ameaça de deixar o Brasil, a montadora americana General Motors terá uma reunião nesta terça-feira, em seu complexo industrial de São José dos Campos, para estudar medidas que tragam viabilidade às unidades de produção no país.

O encontro será comandado pelo presidente da GM Mercosul, Carlos Zarlenga, e contará com sindicalistas das duas maiores e mais antigas fábricas da empresa no país –São José e São Caetano do Sul– e com os prefeitos das duas cidades, respectivamente Felicio Ramuth e José Auricchio Jr., ambos do PSDB.

A reunião ocorrerá quatro dias após a divulgação, na última sexta-feira, de um comunicado da GM dirigido aos funcionários e assinado por Zarlenga. Nele, a montadora alega que a situação na região latina é “crítica” e que estuda a possibilidade de sair do Brasil e da América do Sul.

O executivo citou declaração da presidente mundial da GM, Mary Barra, que deu sinais de que está considerando sair da América do Sul. “Não vamos continuar investindo para perder dinheiro”.

Procurada, a GM disse que não iria comentar o assunto.

MOBILIZAÇÃO.

No encontro de São José, os sindicalistas vão cobrar transparência da montadora.

“O histórico da GM é de fazer pressão para obter vantagens. Isso acontece com as montadoras há anos”, afirmou Renato Almeida, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José e trabalhador da GM há 12 anos.

Ele destacou que a presença de outros sindicalistas e dos prefeitos aumenta a responsabilidade por uma mobilização nacional. “Estamos buscando mais apoio. Não é qualquer coisa essa posição da GM. Seria um caos social para o país e outros países do continente. O governo federal tem que tomar uma posição”.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Felicio Ramuth (PSDB) afirmou que irá atuar para evitar o fechamento da fábrica em São José.

“Desde o final 2018 tenho acompanhado a movimentação da GM mundial, inclusive com fechamento de algumas fábricas ao redor do mundo, e essa posição delicada. Não mediremos esforços para apoiar a GM, que possa trazer investimentos para São José. Com diálogo e boas negociações conseguiremos reverter quadro atual”.

Print Friendly, PDF & Email