Angelo Coronel escreve – Fim da reeleição no Legislativo da Bahia

Angelo Coronel escreve – Fim da reeleição no Legislativo da Bahia

0
COMPARTILHAR
Print Friendly, PDF & Email
 
Reputo que o Legislativo da Bahia viveu ontem um dos seus momentos mais importantes em toda a
sua história, quando aprovou o fim da reeleição para presidente da Assembleia em uma mesma
legislatura. Porque um parlamento democrático, diverso e plural, formado por 63 deputados
escolhidos pela vontade soberana do povo, simplesmente não pode ter dono.
A reeleição feria de morte um princípio basilar da democracia que é, justamente, a alternância de
poder. O princípio da vitaliciedade não se aplica ao poder político porque a excessiva permanência e
a continuidade de quem enfeixa o poder em suas próprias mãos embalança, inexoravelmente, o
berço do mandonismo.
Quando tomei a decisão de disputar a chefia do Poder Legislativo da Bahia disse aos meus 13 pares
que cerraram fileira comigo na primeira hora: “Só há duas condições sine qua non para que
entremos na disputa. Uma é o fim da reeleição para presidente da Assembleia na mesma legislatura;
a outra é que vamos voltar a fazer do Legislativo um Poder realmente independente e soberano”.
Ao consultar o presidente Otto Alencar, do meu partido, o PSD, sobre a nossa decisão em postular a
presidência da ALBA, ele me lembrou que havia sido presidente daquela Casa e que não havia
admitido a reeleição, que chegou a ser articulada pelo então deputado estadual Luiz de Deus. “A
pior coisa de uma pessoa é ser vintém e pensar que é milhão”, disse-me Otto.
Na condição de presidente, não podia – até então – apresentar projetos de lei. A missão então coube
ao deputado Adolfo Menezes, meu companheiro de partido, e que já possuía uma Proposta de
Emenda Constitucional, que alterava parte do artigo 67 da Constituição do Estado da Bahia. E,
justiça se faça à história, sucedânea de uma PEC já antes, em legislaturas passadas, apresentada pelo
deputado Rosemberg Pinto (PT).
A paternidade desta Emenda Constitucional é de todos os 63 deputados – da maioria, da minoria,
dos independentes. Sobretudo, é ela uma oferenda à sociedade democrática, plural e diversa da
Bahia, cuja história civilizatória jamais compactuou com a tirania, como bem reflete o nosso Hino
da Bahia.
Toda instituição precisa ser renovada. A fomentação de novas lideranças é o oxigênio de que ela
precisa para resplandecer e não caducar. Quando não há renovação, não há estímulo para o
despontar de novas idéias e novos modos de fazer. E isso vale para o poder público e para o setor
privado; para as federações esportivas e os clubes de futebol; para as associações, sindicatos e
condomínios.
Lembrando da máxima do senador Otto Alencar, só quero entrar para a história como “o vintém”
que contribuiu para aumentar ainda mais essa extraordinária e secular riqueza democrática, diversa
e plural da Bahia.
Angelo Coronel
Deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA